A vida em um Pen Drive

meritline_1982_4133120.jpeg

O meu aluno de jornalismo Thales Barreto me perguntou esta semana se não seria interessante comentar sobre a maneira como as pessoas estão usando pen drives. Ele disse que seria interessante mostrar até os programas que o pessoal carrega nos pequenos dispositivos. Fiz uma proposta que ele começasse a discussão no Blog dele, o Simulacros.

A questão é que ele pescou bem o tema porque a Veja desta semana destacou em uma matéria que os Pen Drives estão aliviando o peso nas mochilas da gurizada nas escolas.

Como eu comentei com o Thales, acho que é algo temporário, assim como a guerra do padrão de DVD, pois tudo tende a ficar 100% na web. Uso o serviço da Apple, o .mac, que me dispõe um disco virtual de 10gb montado no meu desktop que me possibilita transferir arquivos de casa para o trabalho e vice-versa. Claro, precisamos de mais velocidade da rede e mais confiabilidade. Isso deve chegar, mas até lá concordo com o Thales: o Pen Drive é o cara do momento.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Comments (

3

)

  1. Ana Brambilla

    Oi Eduardo!
    Vale o Thales ficar ligado no uso de pen drives na produção de álbuns.

    O blog Circuito Integrado, da Folha Online, diz que a SanDisk está negociando com a EMI e a Kingston também trata disso com outra gravadora.

    “A diferença, para quem compra, é que poderão vir fotos, vídeos e sabe Deus mais o quê. Além de que será possível guardar outros arquivos dentro do “disco”.”

    Imagina quando a gente puder entregar teses e dissertações em pen drive… Econômico, ecológico e muito, muuuuito mais produtivo!

  2. Thales Barreto

    Com carros como o Punto, vindo com entradas USB acho válido as gravadoras começarem a vender seus artistas em pen drives. Agora… “Empilhar” pen drives não é uma tendência… hehehehehe… Abração.

  3. edupel

    Oi Ana, acho que o Thales já viu 🙂
    Mas de novo, como eu coloquei no post acho que ainda vamos mais além rapidamente. Acho que melhor que entregar um trabalho no pen drive é poder enviar por email e as pessoas lerem nos novos displays que estão aparecendo ai. Mas certamente o pen drive pode ajudar a não derrubar muitas árvores agora. Concordo contigo.